29 de setembro de 2011

O teu poema



Trago-te o azul das asas e o segredo dos pássaros.
Trago-te a eternidade despida do valor corpóreo das coisas.
E da copa das árvores
um raio de sol
borda a seda  na tua alma
todos os versos de um poema
que em vão
há tanto tempo
tentas escrever na água dos teus olhos.


16 comentários:

Lídia Borges disse...

A imagem enternecedora de uma bordadeira de versos de seda e água invadiu a minha alma como um voo azul, libertador.

Um beijo, João

Obrigada!

Virgínia do Carmo disse...

E tanto é o que trazes, sempre.
E tão intenso o azul com que vestes as palavras.

Talvez não seja em vão. Um dia o poema há-de emergir-lhe dos olhos.

Beijinho grande, João!

Sonhadora disse...

Minha querida

Um poema bordado pelos dedos da sensibilidade...adorei e deixo o meu beijinho com carinho.

Rosa

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIA JOÃO


Minha Querida,


Desta copa
teco um raio de sol
que nos ensopa


Beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 30 de Setembro de 2011

manuela baptista disse...

deixa

os pássaros não têm segredos
nada é em vão

e o tempo, é apenas isso, olhos azulados de água
porque as asas, a Maria João já tem

um beijo

manuela

BRANCAMAR disse...

E eu trago-te os segredos da amizade, porque os afectos são o único e grande valor da vida e tudo que nos trazes vem carregado desse valor incorpóreo de que falas...

Muito lindo o teu poema, Maria João, muito lindo o teu sentir...

Beijos
Branca

AC disse...

Haverá dádiva maior que trazer isso connosco?
Imenso, Maria João!

Beijo :)

Andy disse...

Maria João,
tão doces palavras, não me canso de ler... poderiam ser os versos de embalo para uma noite sem luar...

Beijo cheio de carinho, amiga!

Mar Arável disse...

Na verdade

Mel de Carvalho disse...

Belíssimos são todos os azuis
e as asas
que ofereces além e na (e)ternidade despida do valor corpóreo das coisas.

Um beijo saudoso e grato, Joãozinha
tua fã, tua amiga

Mel

Ana Martins disse...

Maria João, boa noite!
E nada mais é preciso trazer, isso basta para que os versos do poema reflictam na água desses olhos.

Lindo!

Beijinho,
Ana Martins

António Gallobar disse...

Olá Maria João

Imagem inspiradora, que nos transporta, numa suavidade aos tempos ternos de infancia, o som da flauta ou do oboé... nem sei e ficam depois as palavras, as palavras que trazem o azul das asas e tentas escrever na água dos teus olhos, nos da menina, que sonha...

Maravilhoso, adorei, beijinhos

Nilson Barcelli disse...

O teu poema é simplesmente belo e magistral.
Parabéns por mais esta pérola poética.
Querida amiga Maria João, tem um bom feriado (ou o que resta dele...).
Beijos.

BRANCAMAR disse...

E repasso para te trazer um beijo tranquilo de dia feriado e um abraço amigo de sempre...

Bergilde disse...

O que dizer além da agradável sensação que a tua leitura traz cada vez que venho aqui?Pura poesia de quem consegue tocar no coração da gente com as palavras.
Meu abraço,

Linda Simões disse...

Nas palavras,as palavras mudam.
Nas asas,asas que libertam.
No poema,o ser que fala, desnuda os sentimentos...


Um beijinho,


Linda Simões