8 de outubro de 2010

A caminho do céu



Quando eu morrer

Planta o que eu fui

Na escarpa onde me vires caída

E em reminiscência

Eu irei viver em ti

Como uma árvore

A caminho do céu



24 comentários:

Carlos Albuquerque disse...

As minhas palavras não têm a grandeza das suas, mas atrevo-me:
Que coisa mais bela pedir para se plantar a vida assim...!
Beijinhos e bom fim-de-semana.

Fernando Santos (Chana) disse...

Belas palavras...Espectacular....
Cumprimentos

Zil Mar disse...

Que lindas palavras Maria!

Plantar a VIDA!

Tocante demais....

bjos querida...e um dia de paz!

Zil

AC disse...

Um conceito grandioso no sentido interior.
Muito belo. Maria João!

beijo :)

Jaime Latino Ferreira disse...

NÃO MORRAS JÁ


Não morras já

Mostra-me primeiro
em que lugar
que canteiro
reminiscência
teu esteiro
deva plantar
o que useiro
sendo teu
é meu
inteiro

Já que não espero
vezeiro
que o céu se abra
sorrateiro


Maria João


Querida Amiga,

Colho, semeio e não espero pela morte!

Um grande beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 8 de Outubro de 2010

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIA JOÃO


Querida Amiga,

No impulso que me levou a escrever Não Morras Já, esquecia-me de Lhe dizer que é muito bonito o Seu poema!

Beijinhos e um bom fim de semana


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 8 de Outubro de 2010

manuela baptista disse...

plantarei

no entendimento do que és
e na minha memória
permitida

.

muito belo, Maria João!

um beijo

manuela

Lídia Borges disse...

"Planta o que fui"
E neste pedido a continuidade, a semente da memória preservada numa "árvore a caminho do céu"

Mesmo sabendo que me repito: Gosto desta estética discursiva, da ternura transbordante, da lisura da palavra.Gosto!

Um beijo

Nova Civilização disse...

Amiga,

que lindo.... essa memória que fica em nós é a eternidade!

obrigada pelas palavras no blog. É verdade... todos os dias é dia de celebrar a vida!

beijinhos no coração

Gisele

Cris Tarcia disse...

Maria João, que poesia linda!!!
Você gostou do livro? Hoje fui ver novamente o filme Comer rezar e amar, adorei . Comprei até o livro, este final de semana vou viajar lendo.

Beijos

Lia disse...

Maria João,

lindo!
Um terno e simples pensamento elevado ao Cêu.

Beijinho e BFS.

Vieira Calado disse...

Belo!

E também a imagem!

Beijinho

Nilson Barcelli disse...

Depois de partirmos, será bom que alguém se preocupe com a nossa memória, principalmente quando ela não estiver de acordo com o que fomos em vida.

Aparentemente simples, o teu poema encerra leituras não evidentes à primeira vista...
Gostei e achei-o excelente. Pela serenidade e profundidade.

Querida amiga, bom fim de semana.
Um beijo.

BRANCAMAR disse...

Mensagem de beleza única, Maria João!
Tão lindo!
É a semente do que fica de nós que permanece e nos eleva ao céu.
Vou lá tantas vezes com a minha avó, com os amigos que partiram e entre o meu peito e o céu não há limites...assim será com pessoas lindas e belas como tu, que sempre serão recordadas.
É desta forma linda que se deve falar da morte, circunstÂncia a que normalmente gostamos de fugir e que entendida assim, como fazendo parte da vida e dando-lhe continuidade numa outra dimensão, com um outro olhar, tem apenas a leveza de uma terna saudade, :)).

Estive no Minho, passei mum dia de temporal e com avaria, tive que chamar o pronto-socorro mesmo aí a dois passos, em Belinho, ainda não foi desta vez que passei e parei, :))

Beijinhos
Branca

. intemporal . disse...

.

. como um cipreste .

.

. que em melancolia se e.terniza .

.

. assim como, o teu verbar .

.

. um bom.fim.de.semana .

.

. um beijo meu .

.

. paulo .

.

Sofá Amarelo disse...

Há árvores que nunca morrem e que estão sempre no caminho entre o Céu e a Terra...

luís filipe pereira disse...

exímia a verticalidade de uma oferenda vital de verde inteireza.
grato pela partilha,
filipe

Sonhadora disse...

Minha querida
Simplesmente maravilhoso e sensìvel o teu poema, adorei.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Virgínia do Carmo disse...

Uma doce e terna forma de ser lembrada... suponho que todos viveremos nos outros na medida em que soubermos ser semente...

Comovido beijinho de tanta beleza!

Dulce AC disse...

Maria João,

Belíssimo o seu poema, absolutamente.
De uma ternura sem fim à vista...

Quando eu morrer...

plantem o que fui
no que fomos
ou
o que tanto desejava
que tivéssemos vivido...

e a melodia manter-me-á presente
na memória dos corações dos que tanto amei...

Maria João são estes momentos que tornam a nossa vida mais elevada...vamos afinal em direcção ao céu tranquilos
Obrigado..

Um beijinho de grande ternura.
dulce

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga Maria João, desejo-te uma óptima semana.
Um beijo.

Mariazita disse...

Tudo o que haveria a dizer já tu o disseste, minha querida amiga.
Tão simples e tão profundo!
A vida continua, para além da morte. É, pelo menos, esse o nosso desejo...

A imagem é fantástica! Gostei de tudo!!!

Beijinhos

Rosa Carioca disse...

E assim continua vivo em mim...

Linda Simões disse...

Maria João


Teus poemas são lindos.

Obrigada pela partilha.

Um beijinho e boa semana


Linda Simões