7 de janeiro de 2012

O pudor do meu nome



Há tanto se avezou de ti esse vício, de me desnudares com o olhar e, no entanto, nunca te importaste que morresse de frio enquanto deixavas a noite cair sobre os meus ombros cansados. Cansados da tua ausência.
A minha pele nunca foi para ti um canto aconchegante da tua casa. Eu fui apenas um abrigo na perdição de ti próprio.
Dei-me. Dei-te o pouco que fui no nada em que me tornei agora.
É por isso que hoje, [re]cubro o meu corpo com o pudor das palavras que ainda escrevem o meu nome. Com elas, hei de descobrir no peito o desenho de uma nova forma de amar.


14 comentários:

Bergilde disse...

Triste,mas muito sentido como tudo que você propõe aqui.
Abraços nesse início de ano!

AC disse...

Maria João,
As palavras, em si, têm sempre a dimensão adequada.
É tão bom lê-la!

Beijo :)

A.S. disse...

M.João,

Com as tuas palavras, vencerás a mágoa de estares de pé à porta da ausência...

Fraterno abraço!
AL

A.S. disse...

M.João,

Verticais e intimas
só as palavras resistem
ao precário sabor das coisas...


Um fraterno abraço!
AL

Filoxera disse...

Há situações na vida que nos fazem repensar a atitude...
Importa sermos leais a nós mesmos.
Um beijo.

manuela baptista disse...

num momento despimo-nos

no outro, vestimos novas formas de amar

que nos dão abrigo

um beijo

manuela

antonio ganhão disse...

Quem não ama, perde-se de si próprio, no outro. Bem visto. Melhor escrito.

Lídia Borges disse...

E... se nos encontramos, deste modo desnudado na poesia, teremos sempre muito para dar e muito para receber.

Belíssimo!

Um beijo

Virgínia do Carmo disse...

Havemos sempre de encontrar de uma forma de acreditar. Por mais que tudo doa.
Lindo.

Um beijinho, querida João.

Tere Tavares disse...

Acostumei-me a ler-te Maria, e aqui deixas - outra vez- a palavra rubra de encantos. Um feliz 2012. Abraço

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIA JOÃO


Querida Amiga,


... no nada ... que é muito!


Beijinhos


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 9 de Janeiro de 2012

Mar Arável disse...

Palavras com vida por dentro

Rosário disse...

nada é por acaso, dizem... e aqui estão as tuas palavras. límpidas e belas, como sempre. frutos dessa enorme árvore que é a realidade.

um grande beijinho para ti, minha amiga


Rosarinho

BRANCAMAR disse...

Há sempre novas formas de amar, há sempre um mundo por descobrir...

Beijinhos