13 de outubro de 2011

Dentro do teu afago



                                               Detenho-me nas tuas mãos
                                               e dentro do teu afago,
                                               a minha pele
                                               reconhece-se peregrina
                                               a sacia-se de ti.
                                               Tu que és dela
                                               o tacto aveludado e fresco
                                               de uma manhã
                                               que da noite se renovou
                                               água  de Setembro,
                                               amor entrançado
                                               a manter pulsátil
                                               o meu universo.



10 comentários:

Rogério Pereira disse...

:-))

Daniel Silva (Lobinho) disse...

Belíssimo!

Sonhadora disse...

Minha querida

Um poema onde pulsa um amor sem fim...um belo momento.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

antonio ganhão disse...

Mergulhar em entrega no carinho do outro.

Mar Arável disse...

Mãos nas mãos

Bj

Lídia Borges disse...

Vivo!... Como uma voz que acorda ou um sopro de luz feito ponte no encontro sedento das mãos.

Muito doce!

Um beijo

manuela baptista disse...

poderia ser

o poema de uma mãe a um filho prestes a nascer

não fosse já outubro


um beijo

manuela

retrato... disse...

tão leve, tão suave, palavras quentes e cheias de ternura que afagam momentos, momentos onde as palavras são poesia... são vida e tactos sentidos.

sabe bem!

bj...nho

BRANCAMAR disse...

E como sinto que é bom esse desenhares-te Maria João e fico feliz por por esse tacto aveludado que tão bem te faz!

Beijos amigos
Branca

Sofá Amarelo disse...

Água de Setembro em Outubro quente... como as mãos que afagam o afago peregrino e aveludado que mantém a frescura do amor entrançado...