7 de setembro de 2010

Sinfonia da ciência (2)


"Qual o nosso lugar na perspectiva cósmica da vida?"

(Robert Jastrow)

"Uma das grandes revelações da exploração espacial,

é a imagem da Terra, finita e solitária,

acomodando toda a espécie humana,

através dos oceanos, do tempo e do espaço."

(Sagan)

The Symphony of Cience

14 comentários:

Braulio Pereira disse...

olá bom dia

gostei

optimo dia para ti..


beijo!!!

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIA JOÃO


Querida Amiga,

Desculpe-me mas não consegui retirar a música de fundo da Sua página para ouvir o som do vídeo que aqui anexa e que, como sabe, é temática que me fascina ...!

Um beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 8 de Setembro de 2010

BRANCAMAR disse...

Lindíssimo este vídeo, Maria João. Emocionante a não assustador como diz um dos narradores. Perturbador sob o ponto de vista dos afectos e da harmonia que devemos manter com o cosmos e fazer florescer, é nossa obrigação e faz parte da nossa serenidade e da de todos.

Um beijinho de serena amizade.
Branca

contagotas disse...

Maria João o video que nos apresenta, lindíssimo, é no mínimo inquietante!
Não que seja uma verdade desconhecida, mas porque vivemos à margem dela. Limitações do ser humano que procura certezas mais palpáveis e verdades mais tangíveis. Não é fácil aceitar a inconsistência casuística de que "A matéria flui de um lugar a outro e num momento junta-se para se tornar em você"

Obrigada por nos desassossegar
Bjos
MariaIvone

Lia disse...

Olá Maria João,

emocionante o video!
Somos todos viajantes de uma jornada cósmica... gostei muito!

Obrigada pela visita e pelas palavras.

Beijinhos cheios de sol*

Lia

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIA JOÃO


Querida Amiga,

Algumas coisas há que sou mesmo o último a descobri-las ...

Agora sim, eureka!!!

Pego apenas numa frase daquilo que neste vídeo vi e ouvi:

" As claras ferramentas da nossa sobrevivência " ... situam-se algures ente o micro e o macrocósmico, na lente previligiada que cada um de nós é e que levando-nos a exprimir pela música nos faz fazê-lo também pela palavra, autênticos fragmentos, estilhaços ou detalhes musicais e, em especial, por aquela que sendo comum, escrita se torna, se pode tornar verdadeiramente axial e charneira!

Não escrevi pouco ...!

Um beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 8 de Setembro de 2010

AC disse...

Por acaso já conhecia o vídeo, mas nunca é de mais vê-lo.
Muito bom, com um grande trabalho de mistura.

Beijo :)

Mar Arável disse...

Todos os azuis

num só mar

Nova Civilização disse...

Amiga,

ESPETACULAR!

muito me emociona também... buscar esse espaço na perspectiva cósmica da vida. O que penso é que somos criados da mesma força, do mesmo equilíbrio que move a terra, que move os astros...

bela partilha,

beijinhos

Gisele

Vanda disse...

Que lindo...
Beijinhos.

Adolfo Payés disse...

Hermoso...


Un abrazo
Saludos fraternos..

Que disfrutes de un hermoso fin de semana...

manuela baptista disse...

Maria João

o lugar

que eu mais gostava
para imaginar
a perspectiva cósmica da minha vida

era assim em noites escuras de Setembro

quando a lua é nova
e não está cá

e eu deitada de costas na erva húmida de um campo
que ainda existe ou não

e prendia os olhos às estrelas
e na eufórica sensação que se seguia

já não eram as estrelas que brilhavam sobre mim
mas eu que caía sobre elas...

depois era só deixar a noite continuar por si

um beijo

Manuela

Lídia Borges disse...

Somos ínfimas partículas na imensidão do cosmos e, no entanto, em cada um de nós, em cada partícula, há um universo fascinante que procuramos desvendar continuamente.

Gostei muito.

Um beijo

Carlos Albuquerque disse...

Conhecia o vídeo, como conheço grande parte do que Carl Sagan, incansável pesquisador de vida extra-terrestre, escreveu e disse.
Fui sempre, e continuo a ser, um apaixonado pelo tema.
Creio que, na espécie de vida que somos na Terra, há uma origem cósmica, perspectiva se quisermos, que de nós fez colonizadores do planeta, aqui deixados em luta pela evolução. Na minha opinião, por um fortuito acaso da expansão do Universo, que prossegue.
Finitos somos, como a Terra, mas não solitários.
Qual o nosso lugar?
Apenas este, do tamanho de uma poeira mícron. Quiçá amanhã nos agigantemos noutras paragens para que possamos partir, deixando a "porta de Deus" em que estamos,como disse um astronauta norte-americano. Quiçá...
Beijinho