16 de julho de 2010

As fendas dos muros



Por entre as fendas dos muros...

ouvem-se os lamentos
no ranger das amarras
e rasga-se a cal
pela força dos punhos

Nas fendas dos muros...

renasce a esperança do grito
temperado de sal
e o ruir das muralhas
no sopro nos medos

Das fendas dos muros...

escorre a seiva em cascata
ao abraço das mãos
que prolongam a vida
no encontro dos dedos

Fotos Pessoais



12 comentários:

A.S. disse...

Maria João,

Por entre as fendas dos muros, escorrem as negras sombras, quando o que desejamos é um rasgão luminoso!


BeijO
AL

manuela baptista disse...

por
que um lamento
é um rasgar de voz

nas
ventanias
espalho eu os medos

das
minhas mãos
encho-as de dedos

como um murmúrio

por entre as fendas, nas fendas, das fendas dos teus muros

bonito poema Maria João!

assim, uma fala das pedras...

um beijo

Manuela

Mariazita disse...

Maria João
Ai se os muros falassem quantas histórias teriam para contar.
De parte desses murmúrios já tu nos dás conta neste bonito poema.
Também dos teus dedos escorre poesia que nos enche a alma!
Lindo!

Bom fim de semana. Beijinhos

Rosa Carioca disse...

...ao abraço das mãos
que prolongam a vida
no encontro dos dedos.

Fiquei sem palavras...

Sofá Amarelo disse...

Das fendas dos muros brotam lamentos de seivas temperadas de sal, nas fendas dos muros rangem as amarras no sopro dos medos, por entre as fendas dos muros prolongam-se abraços num encontro de dedos...

Sonhadora disse...

Minha querida
Um lindo poema, adorei.

...ao abraço das mãos
que prolongam a vida
no encontro dos dedos.

Muito belo.

Beijinhos
Sonhadora

AC disse...

Gosto sempre de ver convicção e esperança nas palavras. Ainda por cima bem desenhadas.

Beijo

Nilson Barcelli disse...

Pelas fendas dos muros podem entrar os lamentos ou a esperança. Em qualquer caso, essas fendas servem para respirar a vida e a liberdade.
Excelnte poema, minha amiga João.
Um bom fim de semana para ti.
Beijos.

. intemporal . disse...

.

. poética e pictórica .

. profética .

. de uma imagética onde te re.conheço .

. parabéns, maria joão .

.

. um beijo meu .

.

. paulo .

.

Virgínia do Carmo disse...

Fendas salvíficas, a curar os lamentos... Por vezes é assim...

Beijinho terno!

Nova Civilização disse...

Querida amiga,

é sempre um prazer ler a sua poesia que nos presenteia nesses pequenos detalhes. Que de pequeno não tem nada pois nos enche de emoção,

beijinhos no coração,

obrigada

Gisele

rouxinol de Bernardim disse...

Poesia por entre os interstícios do combate quotidiano...