1 de junho de 2009

Para que nenhum dia seja diferente...



CARTA DE UM FILHO
A TODOS OS PAIS DO MUNDO




Não grites comigo.
Quando o fazes, estás a ensinar-me a gritar também embora eu não o queira fazer e eu passo a respeitar-te menos.

Trata-me com amabilidade e cordialidade, como fazes com os teus amigos.
Por sermos família não significa que não possamos ser amigos.

Não digas palavrões.
Eu vou aprender a dizê-los, sem mesmo saber o que significam.

Quando te enganares em alguma coisa, admite-o.
Isso vai melhorar a minha opinião a teu respeito e ensinas-me a admitir também os meus erros.

Não me compares com ninguém, em especial com os meus irmãos.
Se me comparas melhor que os outros, alguém vai sofrer. Se me comparas pior, sou eu quem sofre.

Não digas mentiras à minha frente, nem peças que as diga por ti.
Fazes com que eu deixe de acreditar no que dizes e eu não quero isso.

Deixa-me valer a mim próprio.
Se fizeres tudo por mim, eu não posso aprender a fazê-lo.

Não me dês sempre ordens.
Se me pedires para fazer alguma coisa, em vez de me dares uma ordem, eu o farei mais rápido e com mais prazer.

Não mudes tantas vezes de opinião sobre o que devo fazer.
Decide e mantém essa posição.

Cumpre as promessas que me fazes, as boas e as más.
Se me prometeres um prémio dá-mo. Mas preciso que o faças também se for um castigo.

Procura compreender-me e ajudar-me.
Quando te conto algum problema, não me digas: “ Isso não tem importância” porque para mim tem.

Não me digas para fazer alguma coisa que tu não fazes.
Eu aprenderei a fazer sempre o que tu fazes, mesmo que não o digas. Mas não farei o que tu dizes e não fazes.

Não me dês tudo o que te peço.
Ás vezes, só peço para ver o quanto posso receber.

Ama-me e não te canses de me o dizer.
Eu preciso do teu amor e gosto muito de te ouvir dizê-lo, mesmo que tu aches que não é necessário.


Anónimo


.....PORQUE O DIA DA CRIANÇA É CADA DIA DE TODOS OS DIAS DO ANO!......

12 comentários:

JC disse...

Olá João!
Adorei o teu texto. Procuro dentro do possível ter uma relação como a que descreves com o meu filho, por vezes nem sempre é possível, porque o ser humano não é perfeito e falha quando menos queremos.
Ainda este fim de semana tivemos os dois uma longa conversa. Uma conversa em que lhe disse várias vezes que o admirava, pela postura, pela sua forma de ser e estar na vida. Pela forma como ele encara e vê o futuro, apesar dos seus 21 anos.
Tive oportunidade de lhe dizer várias vezes quanto gostava dele e quanto o amava. O amor dum pai por um filho não tem medida. Pois o meu é exactamente assim.
Estou a escrever e a minha pele está a arrepiar. Sou assim. Sinto o que digo e o que escrevo.
Obrigado João por teres postado esse belo texto, que me permitiu reflectir um pouco e escrever o que me ia na alma.
Bem haja.
Beijinhos

rouxinol de Bernardim disse...

Oxalá fosse todos os dias do ano!

José Quintela Soares disse...

Só que...passa o dia e rapidamente esquecem a importância de uma boa pedagogia.
Problema universal, a precisar de mais "Dias" para ser recordado.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Maria João

O sofrimento duma criança dói-me de sobremaneira por senti-la indefesa e objecto de diferentes manipulações.
Este teu post é muito pertinente pelas mensagens do que deveria ser a formação parental. Porém, quando penso no número de crianças maltratadas alvos de violências domésticas, de violações, de explorações sexuais e de desigualdades de oportunidades acho que este texto de intenções já fará parte dum estádio superior de desenvolvimento que ainda não atingimos.
Por todas as crianças, deste e doutros países, que nunca foram crianças porque as fomes, as guerras e as injustiças lhes ceifaram a capacidade de sonhar, a minha voz estará onde houver um grito e os meus passos irão onde ouvir chorar.
Abraço

A.S. disse...

Maria João...

O melhor do mundo são as crianças!
Este texto... emociona!


Um beijo meu!

lili laranjo disse...

MENINOS BONITOS

NESTE DIA...
Um mimo às crianças de todo o mundo...

Meninos bonitos...
Meninos pequenos...
Meninos crescidos...
É bom...
Saber educar...
Os Meninos...
Que não...
Sendo nossos...
são muito nossos...
Que sem serem meus...
São muito meus...
Porque...
Lhes quero muito...
E lhes dou...
O melhor de mim...
Para que amanhã...
Olhem ao longe...
E sintam que eu...
Fui o começo...
Das suas vidas...
E comigo...
Aprenderam a caminhar...

Lili Laranjo

Vieira Calado disse...

Assim devia ser... amiga!

Beijinhosss

Mariazita disse...

Querida amiguinha
Ainda te lembras de mim???
É uma vergonha, não é? Mas eu confio no teu perdão...
Não tenho tido tempo nem para respirar...
Chega de lamúrias.

Esta "carta" deveria ser lida por
todos os pais.
Talvez assim aprendessem a relacionar-se melhor com os filhos, a educá-los convenientemente, no fundo, a amá-los.
E como tão bem sabemos hoje em dia é muito difícil educar os filhos.
Há inúmeras solicitações fora de casa, e os pais sentem-se na obrigação de satisfazer todos os desejos dos seus meninos. Mas não compreendem que essa não é a melhor forma de lhes demonstrar amor. E eu penso que as crianças e talvez até mais os jovens, andam muito carentes de Amor.

Agora "embalava" e não mais me calava. Quando o tema é "a criança" falo pelos cotovelos...

Até amanhã, minha querida.

Dorme bem, com os anjos.

Beijinhos com todo o meu carinho
Mariazita

O Profeta disse...

Mil caminhos
Esta viagem sem velas nem vento
Este barco na bolina das ondas
Esta chuva miúda transborda sentimento

Amarras prendem o gesto
Arrocham um coração que bate incerto
Uma gaivota retoca as penas com espuma
Levanta voo em rumo concreto

Partilha comigo “100 Anos de Ilusão”


Mágico beijo

Paula disse...

Parabéns pelo blog!
Gostei muito.

james stuart disse...

Gostei muito de vir cá hoje ler os "pequenos detalhes".
Bem haja.

Suh disse...

Amiga querida.
Também estive ausente do teu cantinho...
Mas vim aqui retribuir sua visita e dizer que o teu espaço está cada vez mais lindo.
Fazemos sempre o que achamos correto fazer por nossos filhos...mas nem sempre acertamos.
Peço a Deus que guie a todos nós na educação de nossas crianças.
Pois merecem o melhor de nós.
Um beijo.