13 de julho de 2011

A chuva que nos lava



Nem sempre o céu anuncia
a queda da chuva que nos lava;
da  tez madura,
a cor velada do sal que nos consome .
Prendemos no sargaço
a dor espraiada numa foz longínqua,
e deixamo-la morrer
abandonada
no cansaço escoado das marés
a definharem-se nos dedos.

Entre versos,
plantamos à noite, o uivo dos lobos
e  uma roseira pintada de azul.
Construímos no peito um farol de mariposas
regressadas da colheita de aromas raros,
enquanto desenhamos nas suas asas
um sol amarelo ancorado
a  resgatar naufrágios.
Nem sempre o céu anuncia
a  chuva que nos lava,
mas sabemos,
quando já não nos amarga o que choramos.

23 comentários:

Rogério Pereira disse...

Poeta
fazes bem lembrar
a chuva que me lavou
sem ter alguém a anúnciar
do muito que se anunciou

chuva não esperada
ainda me escorre
na cara molhada

(ou será uma lágrima
mal contida?)

Mel de Carvalho disse...

É exactamente isso minha amiga,
"Nem sempre o céu anuncia
a chuva que nos lava,
mas sabemos,
quando já não nos amarga o que choramos."

sublime forma de o dizeres.

Beijo e o meu carinho, sempre!
Mel

antónio ganhão disse...

Talvez a nossa alma seja mais generosa do que os céus...

Lídia Borges disse...

"O uivo dos lobos e uma roseira pintada de azul"... É isso qe escreves à noite, sim.
Mas há também um "farol de mariposas" com asas de sol...
Que dia bonito trará o amanhecer!

Um beijo

Nova Civilização disse...

Amiga Maria João,

tão lindo, sensível e real!

Obrigada,

beijos da sua sempre amiga brasileirinha,

Gisele

AC disse...

As palavras, sentidas, brotam da alma envoltas em dádiva...
(Já recebi o livro. É a altura certa, pois as férias já estão aí)

Beijo :)

Mariazita disse...

Amiga
É bem verdade que nem sempre a lchuva nos lava a alma; às vezes é chuva ácida, que corroi.
Mas a roseira pintada de azul fará azular os céus, e aí, sim, virá a chuva que nos lava.

Boa semana. Beijinho GRANDE

Sotnas disse...

Olá Maria João, desejo que tudo esteja bem contigo!

Verdadeiras palavras rimadas neste teu belíssimo escrito poético, e de enorme expressividade.
Entretanto o céu nos brinda sempre após a chuva com belos e brilhantes raios de sol, e assim vai secando as lágimas que a chuva lavou!

É sempre muito agradável por cá passar, pois sempre há tão sensíveis escritos teus a nos esperar, repletos de encantamentos, parabéns pelas postagens, sempre com belas imagens!
Sempre agradecido por tuas visitas e comentários deveras gentis, eu deixo aqui meu humilde desejo que você e todos ao redor sejam intensamente felizes, abraços e até mais!

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIA JOÃO


Querida Amiga,


Nem sempre o céu anuncia
a chuva que nos lava
mas o que nos lava
sabemos que se anuncia


Um beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 13 de Julho de 2011

Dulce AC disse...

nem sempre o céu o anuncia
a chuva cai e não nos sossega..

a vida já não será a mesma, mesmo sem o prenúncio dele, do tempo, será sempre um novo dia que chegará e um alento num saber, talvez, mais ameno...de novas cores, de outros sabores.

Quanta vida, João, por aqui..
Lindíssimo.

beijinho grande, de muita saudade.

dulce

A.S. disse...

Maria João,

Detive-me no farol de mariposas que nasce no peito. Haverá sempre essa mágica luz que nos indicará um rumo... apesar da chuva!


Beijinhos!
AL

Professora Lu disse...

Nas tuas palavras eu sinto tanta emoção!!!
PARABÉNS!
"Construímos no peito um farol de mariposas
regressadas da colheita de aromas raros,
enquanto desenhamos nas suas asas
um sol amarelo ancorado
a resgatar naufrágios."

manuela baptista disse...

não digo nada

faço um ponto de entremeio entre cada dedo

e com as patas de ganso ou cão de água
bicho valente, dizem os pescadores

e eles sabem de naufrágios e das dores e da chuva que lava ou não lava

porque eu, leio o poema e releio


são assim os poemas da Maria João

um beijo

manuela

Maria disse...

A água da chuva pode ser azul...

:)

Mar Arável disse...

Na verdade

nem todas as lágrimas

caem do céu

Sonhadora disse...

Minha querida

Como sempre escorre veludo dos teus dedos para acariciares as palavras.Adorei.
Estou voltando devagar e melhorando, agradeço o teu carinho e deixo um beijinho.

Rosa

Cadinho RoCo disse...

Qual de nós não traz consigo o talento de tantas intuições?
Cadinho RoCo

Virgínia do Carmo disse...

Pois, nem sempre... às vezes a chuva é apenas peso. Por isso ainda bem que somos capazes dessa regeneração que nos mantém de pé.
[lindo!]

Beijinho terno e enorme!

. intemporal . disse...

.

.

. no en.tanto o céu não precisa anunciar . o verbar que se desfia no ouro límpido .

.

.

.

.

. até restrito .

.

.

. um beijo meu .

.

. um bom fim.de.semana .

.

.

Rosa Carioca disse...

Obrigada pela visita e pela resposta.
Continuo a apaixonar-me pela sua escrita.

rouxinol de Bernardim disse...

Muito bem elaborado, cheia de sentimentos profundos... como o mar...

Andy disse...

Maria João,
o quanto desejaria um pouco de chuva neste momento...

Lindo como sempre, amiga!
um imenso beijinho

BRANCAMAR disse...

Sabemos sempre que quando não nos amarga o que choramos é a emoção feita vida num mar de esperança e luz...

E toda a chuva nos lava e nos conduz ao mar...

Beijinhos Maria João, és linda...

Branca