15 de junho de 2011

Anos verdes




Verdes foram todos os anos

Que não colhi,

Porque não sabia

O quanto pode ser doce

O que de amargo

Guardamos,

Se deixarmos

O tempo nascer maduro

E pronto a ser luz

Para além do ninho das pupilas.



28 comentários:

Sotnas disse...

Olá Maria João, que tudo permaneça bem contigo!
Como de costume outra bela poesia por ti postada, e encimada por uma bela imagem, postagem esta que nos expõe tua sensibilidade e sentimentos deveras nobres, parabéns por mais este belo escrito repleto de sentimentos!
Quando guardamos amarguras sempre tentamos esquecê-las, ainda bem que em muitos casos nossa memória não nos permite tal desfeita, conservando-as sempre ali, prontas a serem adoçada ao passar do tempo, nos servindo de aprendizado!
E se por cá estou devo agradecer tuas sempre gentis e carinhosas visitas ao meu/nosso espaço, e desejar a você e todos ao redor intensa felicidade, grande abraço e até mais!

Linda Simões disse...

Obrigada,Maria João

Pela partilha de tão bela linguagem: poesia e música.

Um abraço,

Linda Simões

antonio ganhão - o implume disse...

Os ressentimentos que guardamos aguardam tempos de maior maturidade para se libertarem...

Filoxera disse...

Às vezes só sabemos mais tarde...
Um beijo.

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIA JOÃO


Querida Amiga,

O que de amargo guardamos, temperado, não de amargura mas de aceitação, mais do que poder ser, é a nossa grande força!

Um grande beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 15 de Junho de 2011

Mar Arável disse...

No ciclo das marés todas as estações

são memórias e amanhãs

Professora Lu disse...

Você tem uma delicadeza e uma leva extraordinárias.
Amo o que escreve!
Beijos,
Lu

Lídia Borges disse...

"O quanto pode ser doce o que de amargo guardamos[...]"

Tem muito de maduro. Na maturação "a tempo de ser luz" é que aprendemos o sentido dos verdes.

Um beijo

retrato disse...

quantas amarguras passam a doces, fruto de uma maturidade que mostra, que afinal, nem o que parece é.
o importante está no saber aceitar um passado, sem influenciar o presente, ou um futuro.

bjnho

manuela baptista disse...

amadurecemos docemente

na trincadela sã de uma maçã


a luz
é uma carícia no poema

um beijo, Maria João

manuela

Mariazita disse...

Tens toda a razão, amiga.
Uma dor acalentada no peito por muito tempo, acaba por se desvanecer e, nalguns casos, tornar-se companheira.

Lindo, como sempre, o teu poema.


E o livro, sai bem? Oxalá.

Bom fim de semana. Beijinhos

Virgínia do Carmo disse...

Lindo e profundo!... de uma sabedoria muito madura e doce...

Beijinho terno e saudoso!

António Gallobar disse...

Olá amiga

Quanta verdade, nestas belas palavras
muitos parabens

Beijinhos

Tere Tavares disse...

Toda polpa tem sua doçura, por mais amarga que pareça.

Maria João, meu abraço.

A.S. disse...

Maria João,

Tudo acontece no tempo certo... todo o fruto colhe o sol à medida da sua doçura!

O meu abraço!
AL

Mel de Carvalho disse...

Joãozinha,
sabes o que mais me toca na tua poesia? essa capacidade de dizer tanto em tão pouco. Já li este poema vezes sem conta e em cada vez me toca mais...

Fica a minha gratidão num beijo saudoso
Mel

Cris Tarcia disse...

Maria João, lindo poema, verdade todo momento tem o seu frescor, precisamos saber olhar.

Beijos

retrato disse...

e então, por onde anda a Maria João? será que o aroma que paira por aqui é o de férias???

bjo

. intemporal . disse...

.

.

. por vezes . o amargo é a herança de um doce que ousámos colher ... ainda assim há tanto doce ainda e a vida inteira . à nossa espera .

.

. um beijo .

.

.

Andy disse...

Tão verdade amiga e sobretudo belo quando escreves!

Beijos!

p.s. tenho andado longe....

AC disse...

Maria João,
Todos nós temos verdes anos. O que não é mau, se em simultâneo tivermos capacidade para dar a tonalidade certa à Grande Tela.

Beijo :)

Salete Cardozo Cochinsky disse...

OLá, boa noite
Que Blog belo encontrei aqui!
Foi através do Blog da querida Tere Tavares, e, encontrei bastante semelhança no estilo e como abordam poeticamente o que escrevem.
Parabéns

Ana Martins disse...

Boa noite Maria João,
Que linda reflexão em forma de poema, gostei mesmo muito!

Beijinho,
Ana Martins

rosa-branca disse...

Olá João, deixaste-me a pensar...o quanto pode ser doce o que de amargo guardamos...não sei se adocica...deixarmos o tempo nascer maduro...lindo minha amiga. Beijos com carinho

BRANCAMAR disse...

Querida Maria João,

Lindíssimo este poema, que já li por caminhos por onde andei, embora só agora tenha vindo comentar.
Como entendo essa doçura que sempre existiu no fundo do teu olhar!

Beijinhos amigos
Branca

Graça disse...

"Para além do ninho das pupilas", num tempo que fazemos doce-luz, porque sim!

Como gosto de te ler, minha querida amiga.

Beijo imenso de carinho.

Nilson Barcelli disse...

Se o tempo voltasse para trás, seria mesmo diferente?
Não sabíamos tantas coisas... mas fomos aprendendo...
Gostei imenso do teu poema. O teu talento continua intacto.
Também não te visitava há algum tempo. Mas estou a recuperar o "tempo perdido"...
Um beijo, querida amiga João.

Dulce AC disse...

Querida amiga, são lindas estas tuas palavras...também por serem tão certas..E eu já as levo comigo.

Beijinhos grandes, de muita saudade..