3 de agosto de 2013

Eu em ti



O lugar que procuro
é um recanto vivo dentro da tua memória.
Um lugar que te seja força e amparo
e onde eu me possa guardar
história da tua história;
não pelo que fui ou pelo que vi
e nem ainda pelos caminhos que trilhei,
mas por aquilo que me ergueu quando caí
e por me ter dado a tudo quanto amei.




11 comentários:

Ricardo- águialivre disse...

Boa tarde

Poema maravilhoso, sensível e profundo

Um Sábado feliz
******************
Querendo visite-me

http://pensamentosedevaneiosdoaguialivre.blogspot.pt/

Filoxera disse...

Admiro esta tua inspiração permanente que cria poemas tão bonitos...
Um abraço.

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

"E por me ter dado a tudo quanto amei"... Só este final do poema é já o recomeço de toda outra reflexão...

Um grande beijinho, Maria João...

Professora Lu disse...

Difícil alguém me tocar com as palavras, mesmo que eu não comente com constância, sempre que posso passo por aqui e saio encantada.
Esse teu poema é tudo que eu gostaria ter dito para alguém! Parabéns!!!!

Mar Arável disse...

Portas abertas
janelas escancaradas

Vieira Calado disse...

Olá, boa noite! Como tem passado?
Após uma já longa ausência, aqui estou de novo!
Beijinho para si!!

Lídia Borges disse...


Belos os teus passos a caminho desse lugar-memória.

Um beijo

heretico disse...

inspirado poema. muito belo...

beijo

Hanae Pais disse...

Dos mais lindos poemas que li nos últimos tempos.
Parabéns!

Hanae Pais disse...

Boa noite Maria João, deve ter havido um engano.
A última publicação foi feita por mim,não entendo como apareceu o nome de Hanae Pais.
Agradecia que apagasse o comentário.
Não faz sentido ser meu e ter aparecido com um outro nome.
Grata pela sua atenção.
Contudo informo-a que é um bonito/lindo poema.

Maria João disse...


Cara "Hanae Pais" ( opto por lhe chamar assim, uma vez que não se identificou com outro nome), como imaginará, não é da minha responsabilidade a atribuição do username dos meus comentadores.
Agradeço o(s)seu(s) comentário(s), mas como compreenderá não vou apagar o comentário anterior, uma vez que, e até prova em contrário, a si lhe pertence.

Grata pela visita e pelas elogiosas palavras.

Maria João Martins