2 de março de 2013

Adeus


Paul David Bond

Tenho um adeus preso nos lábios
para soltar no vento antes da morte dos pássaros;
mas hei-de amar-te na copa das árvores
onde as palavras se despem
como frutos maduros
até se desfazerem na tua boca.




16 comentários:

Lídia Borges disse...


"Adeus" é uma palavra desprovida de poesia, ainda que este poema contrarie, amplamente, o que digo.

Os pássaros não morrerão.


Um beijo

JP disse...

Os adeus devem ficar presos nos lábios.

Beijinhos

Rogério Pereira disse...

Não voes para onde vais
Fica
Não há equilibrio se te ausentas

Nunca há equilibrio numa ausência

Mar Arável disse...

Não há morte

nem princípio

muito menos no convívio
com os pássaros

Bjs

Graça Sampaio disse...

LINDO!!! Mas com toda esta força de amor, porque dizer adeus?!

Beijinhos (que eu hei de voltar...)

Bergilde disse...

Não é fácil dizer adeus.Requer esforço e grande desapego.
Um abraço meu,

AC disse...

De uma enorme beleza, Maria João!
E assim fico, deliciado, à espera do momento em que as palavras se dispam...

Beijo :)

Nilson Barcelli disse...

Aparentemente simples, este teu pequeno poema é excelente e delicioso. Li-o umas 10 vezes, até as tuas palavras se desfazerem na minha boca (sabem bem...).
Maria João, minha querida amiga, tem uma boa semana.
Beijo.

Mel de Carvalho disse...

... o equilíbrio irrepreensível entre o conteúdo, a mensagem, a imagem. uma arte que a alguns (pouco, minha amiga, poucos) está destinada - a arte de ser POESIA!


beijo e a minha enorme admiração, reiterada e de sempre.

Mel

Penso logo existo disse...

Lindo o poema, como sempre. Deixei no meu blog uns recados da APAV.

Beijinhos

Maria João Mendes disse...

Um adeus que não quer murmurado
mas que pesa como as penas,
Caindo…

muito bela, tua poesia.

Beijinhos

A.S. disse...

Tão belo Maria João... como a nudez das palavras!


Um beijo,
AL

Andy disse...

Tão doce e suave poesia, aquela com que nos fazes voar, sempre!

beijo, Maria João.
saudades!

Branca disse...

Saudades Maria João, mas nunca adeus.
O poema é lindo!
Venho "ver-te" e encontro-te sempre em cada palavra tua e encontro-te nesta poesia, sem adeus...porque cada vez precisamos mais dos amigos e do amor, neste país de dor.

Beijos

Rosa Carioca disse...

Que "adeus" delicioso!

Mariazita disse...

Se no "adeus" houvesse tanta poesia e beleza, não seria tão difícil dizê-lo...

Sustém o teu adeus, minha querida, para que os pássaros possam continuar a voar.
ADOREI!

Aproveito para te desejar uma Páscoa muito feliz.
Beijinhos