2 de agosto de 2011

Negra flor




Sem mais, sem qualquer outro aviso, guardaste o lenço impregnado de dias vazios e partiste, apagando os pés na areia à medida que passavas.
Não olhaste para trás, nem te detiveste um só segundo porque, se o fizesses, terias percebido como era negra a flor que eu bordava na orla da minha saia, enquanto as mãos se contorciam descrentes de luz e tempo, ausentes de luar.
É por isso que hoje, eu só amo as rugas do meu rosto, as únicas que, verdadeiramente, nunca me abandonam.


18 comentários:

Rogério Pereira disse...

Diz outro poeta que rugas na testa
é próprio de quem duvida. Duvidaste de mim. Essas rugas que ostentas são mais minhas do que tuas, embora em teu rosto. Outras são por te ter causado desgosto. Outras ainda pela minha incompreensão. Todas, todas são obra minha. Verdadeiramente? Se tuas rugas te acompanham, de ti nunca ficarei ausente...

BRANCAMAR disse...

Maria João,

Rosas são sempre beleza, sejam negras ou brancas, há-as de tão variadas cores. Adorei a imagem e do texto ficou-me a sensação de que o li por estes dias. Baralhaste-me, sei que o li e me marcou o último verso...e é muito bonito. Podes crer que o que as nossa mães e avós dizem "Se não olhares por ti ninguém olha" traduz isso mesmo, é um conselho de amor e sabedoria. A nossa felicidade só depende de nós em primeiro lugar, só nós a podemos construir e jamais pode ser construída na dependência dos outros. As nossas rugas são a nossa história e são elas que nos emprestam o saber e a força de estarmos aqui e nos bastarmos a nós próprios porque nunca nos abandonam de facto...

Beijo imenso de carinho.
Branca

BRANCAMAR disse...

Que lindo o que o Rogério escreveu e também é verdade. Enquanto atendi um telefonema de longe ele ganou-me, :))

Beijinhos
Branca

Virgínia do Carmo disse...

Sei como te doeu, João. E doeu tanto.

Beijinhos imensos e saudades... tantas!

Nova Civilização disse...

Amiga,

me tocaste tanto com essa sua poesia... Intenso ! Me encontrei,

obrigada,

beijos


Gisele

rosa-branca disse...

Olá Maria João, só as nossas marcas não nos abandonam e por vezes tanto queríamos que elas partissem...sem dor. Adorei amiga. Beijos com carinho

Andy disse...

Maria João,
tão belo ainda que triste!
Li e reli...belíssimo.

ah e a música!

Abraço imenso

A.S. disse...

Maria João,

Todos na vida deixamos flores negras pelo caminho. Importa sim que todas as que renasçam sejam uma explosão de cores!...


Um beijo!
AL

Jaime Latino Ferreira disse...

MARIA JOÃO


Querida Amiga,


Rosa negra
que bordaste
és uma ruga
que se entrega
ao que por mim
choraste


Beijinho


Jaime Latino Ferreira
Estoril, 3 de Agosto de 2011

Mel de Carvalho disse...

Talvez, minha amiga, sejam as rugas aquilo que melhor revela o que, por vezes, tentamos esconder de todos e de nós mesmos - a inexorável caminhada e o plantio das rosas que nos choram dos olhos. E, sem que possamos evitar, choramos, chorando as ditas, e, sem que saibamos, é nesse perfume que cicatrizamos as feridas...

Beijo, Joãozita. Escusado será dizer que me engrandece ver-te a crescer dia-a-dia na palavra.

Mel

Lídia Borges disse...

As partidas e as chegadas são pontos indefiníveis no trajecto das nossas vidas. Acontecem-nos como nos acontecem as primaveras e os invernos. Vão e vêm, levam e trazem... E, por isso, as rosas bordadas na orla das saias têm cores variadas, às vezes negras, às vezes de tons luminosos a acalentar supostas rugas.

Beijo meu

antonio ganhão disse...

As rugas pertencem ao tempo, nunca são verdadeiramente nossas por mais persistentes que sejam... nunca somos nós, apenas espreitamos através delas.

manuela baptista disse...

as rugas

são desenhos que Deus faz, quando está com saudades dos homens

é uma brincadeira dele

agora vou-me calar durante um tempo, Maria João

para apanhar sol e desenhar um barco, ou dois

também como Deus quiser

boas férias!

um beijo

manuela

Tere Tavares disse...

Marcas, seriam, são, o tempo que não se importa com nada - só o nosso passar para o não-lugar.
Abraço Maria Jõao.

Alexandra disse...

A dor e a tristeza ditas pela boca das palavras... a dor e a tristeza vincadas no coração desapontado... mas as rugas, essas, são retratos de um viver e desenham o trilho a percorrer.

Que saudades tinha de te ler!

Beijinho enorme, Maria João.

Sonhadora disse...

Minha querida

Sublime este texto, como as rugas que nos adornam o rosto...são marcas tatuadas pelo tempo e pelas marés que por vezes nos arrastam.
É um prazer imenso ler-te.

Beijinho com carinho
Rosa

Filoxera disse...

A saudade em palavras tão bem alinhavadas...
Um abraço.

Vieira Calado disse...

Um belo pequeno texto!

Bjsss