20 de outubro de 2013

Ao cair da flor



É tua a rosa
o perfume excelso de cada uma das suas pétalas
o queixume eterno da sua floração breve.
Pertencem-me os espinhos
todos
o caule digno e aprimorado
e a terra
onde todas as estações acontecem.




8 comentários:

Mel de Carvalho disse...

... de beleza indescritível, cada uma das palavras; belíssimo, deveras, este poema, querida amiga.
despojadamente belíssimo!!!

fica a minha admiração e a minha gratidão por cada texto que partilhas - bem hajas, pois, e sempre!

beijo e bfs

Mel

Rogério Pereira disse...

Depois de experimentar a robustez dos espinhos, aceito a rosa...

Lídia Borges disse...


"a terra onde todas as estações acontecem" longe da qual nenhuma rosa, jamais, floriria.

Lindo!

Um beijo

Mar Arável disse...

Até tu Rosa

Bjs

Graça disse...


A Mel disse tudo... ler-te é um prazer imenso, para quem, como eu, ama as palavras.

Beijo de carinho, minha querida amiga.

AC disse...

De uma beleza suave, um esboço de sabedoria...

Beijo :)

heretico disse...

a suavidade das pétalas a amaciar os espinhos - e a terra, raiz de tudo.

beijo

Branca disse...

Olá Maria João,

Gostei das rosas, das mudanças todas que por aqui vejo e da sensibilidade dos versos.

Beijos, sempre.